logo

CASA

A ideia de “casa” decorre de uma noção que nos é muito querida: a Família. Esta Família é entendida como:
•  espaço emocional onde a diferença enriquece e valoriza cada um dos seus membros;
•  lugar de nascimento e desenvolvimento da fraternidade como suporte à maturidade

biopsicossocial necessária a cada ser humano;
•  lugar onde se criam e desenvolvem um conjunto de competências que permitem a cada um dos seus

residentes e responsáveis criarem um sentimento de pertença;
•  lugar onde se fomenta um processo de identificação, diferenciação e crescimento

individual e de grupo- família , procurando o desenvolvimento harmonioso e equilibrado de cada

pessoa e do grupo de pertença.

Assim, procuramos tornar-nos participantes activos numa sociedade que se quer inclusiva, 

onde a diferença tem lugar e se torna fonte de vida e de enriquecimento mútuos.

 

A Casa de Betânia, oficialmente constituída a 15 de Julho de 1992, é uma Instituição

Particular de Solidariedade Social sem fins lucrativos, de Utilidade Pública e Superior Interesse Social,

cuja finalidade é a integração familiar, social e laboral de Jovens e Adultos com deficiência intelectual.

A sua origem deve-se à Ir. Maria João Vieira Neves (Irmã Doroteia) e à Dra. Isabel Pinto (Médica),

motivadas por darem resposta à situação do Manuel Neves (irmão da Ir. Maria João) e

futuramente a outras pessoas que não tivessem família que os pudesse acompanhar e integrar na sociedade.

 

Assim, a 22 de Fevereiro de 1994, com o apoio da Segurança Social e de muitos amigos, a

Casa de Betânia adquiriu uma moradia em Queijas, com um objectivo muito específico: ser uma

comunidade de vida, onde as pessoas com e sem deficiência vivem juntas, partilham as

suas experiências, as suas alegrias e os seus sofrimentos, as suas esperanças e os seus

projectos, os seus tempos livres e o seu trabalho quotidiano, dentro e fora de casa.

Acreditamos que, vivendo assim, se constróem verdadeiros laços de fraternidade e de

corresponsabilidade, segundo as capacidades de cada pessoa. É talvez esta uma das

particularidades desta Associação, tornada visível na vida de cada residência – a vida em

pequena comunidade.

Para além das duas pessoas que deram origem a esta Associação, houve amigos que apoiaram

e tornaram possível a aquisição da casa: o interesse e apoio do Padre José Manuel Pereira de Almeida,

Presidente da Mesa da Assembleia durante 10 anos e grande amigo dos residentes; o grupo de Fé e Luz,

da Comunidade de N. Sra. das Candeias, então coordenado pela Sra. D. Maria Amélia Vaz Pinto,

colaboraram ao longo de vários anos. Muitos outros foram sendo presença e apoio, particularmente

a Sra. D. Ester de Souza, de origem goesa, benfeitora e amiga em muitas e variadas ocasiões,

particularmente no apoio à compra da primeira residência da Associação e fazendo a doação da actual

residência de Oeiras “Casa do Farol”.

A festa de inauguração da Residência “Casa de Betânia”, realizou-se no dia 7 de Janeiro de 1996 e

estiveram presentes a Dra. Maria Barroso, esposa do então Presidente da República, Dr. Mário Soares,

a Dra. Joaquina Madeira, então Directora Geral da Acção Social e outros representantes da Câmara

Municipal de Oeiras e da Junta de Freguesia de Queijas.

 

A "Casa de Betânia", baseando-se em experiências vividas pela Ir. Maria João, a

Dra. Isabel Pinto nas Comunidades da Arca de Jean Vanier, quer ser um sinal de esperança

no nosso mundomarcado por tantas rejeições. Quer ser um sinal da fraternidade entre pessoas

de diferentes origens sociais e culturais e de diferentes níveis intelectuais. Quer, acima de tudo,

ser uma pequena chama que testemunhe "a unidade na diversidade", na família humana,

a verdadeira família de Deus.

A "Casa de Betânia" acredita na reabilitação baseada na comunidade e, por isso, tem criado

comunidades de vida e de trabalho, onde cada pessoa com os seus dons e as suas limitações pode

ser e sentir-se verdadeiramente ela mesma, tem um valor único e possui os mesmos direitos e a

mesma dignidade que qualquer outro cidadão - o direito de amar e ser amado, o direito de experimentar

a amizade e a comunhão, o direito a uma formação específica para poder desempenhar uma actividade

laboral ou ser uma presença de apoio a diferentes sectores da sociedade, de acordo com as suas capacidades.

É esta vida em família e em comunidade que dá segurança e confiança à pessoa com diferentes incapacidades intelectuais,que a confirma na certeza de ser reconhecida, aceite e valorizada e lhe

vai permitir progredir, desenvolvendo as suas capacidades e os seus dons.

Os objectivos, os princípios fundamentais e as características da vida em comunidade das

nossas casas estão expressos na Carta das Comunidades da Casa de Betânia que

encontrou a sua primeira inspiração na Pedagogia de Santa Paula Frassinetti e na

espiritualidade vivida pelas duas co-fundadoras e muitos amigos nas 

comunidades da Arca de Jean Vanier